WILDVET LOGO-negativo.png
oie_transparent.png
whatsapp.png

Wildvet Clínica Veterinária e Hotel © 2017. All Rights Reserved.

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - White Circle
  • Google+ - White Circle
  • YouTube

Coccidiose em coelhos - Uma doença que pode ser fatal e de difícil diagnóstico.

May 25, 2019

 

A coccidiose é uma infecção causada por protozoários intracelulares que é altamente contagiosa entre coelhos. É causada por espécies de protozoários do gênero Eimeria, parasitas microscópicos e unicelulares. Há doze espécies de Eimeria que podem acometer coelhos, no entanto, apenas algumas delas realmente causam doença, e o restante convive com o animal sem causar problemas. A coccidiose (doença) é observada principalmente em coelhos jovens e em criações com muitos animais, embora possa ocorrer em coelhos adultos e coelhos de estimação.

 

Os protozoários do gênero Eimeria invadem as células epiteliais da parede intestinal e dependendo da espécie outras células do corpo. É importante frisar que cada espécie de Eimeria é altamente específica para órgãos e tecidos e que as espécies que afetam os coelhos não apresentam perigo zoonótico para os seres humanos.

 

Nos coelhos podemos dividir as Eimerias em dois grupos, entre as que acometem os intestinos e a que afeta o fígado. Eimeria perforans, E. magna, E. media e E. irresidua são as quatro principais espécies causadoras de coccidiose intestinal enquanto a E. steidae causa coccidiose hepática.

 

Ciclo de vida do gênero Eimeria

 

Essa parte é chata mesmo e até dispensável na prática, mas acho interessante e saber um pouco mais nunca é um problema.

 

O ciclo de vida de uma espécie típica de Eimeria pode levar de 4 a 14 dias para ser concluído. O ciclo começa com o coelho ingerindo alimentos ou água contaminada com oocistos de Eimeria. Isso pode acontecer até mesmo quando o coelho está limpando pelo contaminado ou consumindo alimento contaminado fezes.

 

Através dos processos mecânicos (contrações musculares do trato intestinal superior) e enzimáticos (enzimas pancreáticas e biliares) do trato digestivo do coelho que enfraquecem ou digerem parte das paredes do oocisto, permitindo que os chamados esporozoítos sejam liberados.Os esporozoítos uma vez liberados penetram nas células epiteliais que revestem a parede intestinal e iniciam divisão celular múltipla e assexuada. Dividem-se assexuadamente até formar cerca de 100.000 merozoítos por esporozoíto, dependendo da espécie de Eimeria.

 

Quando os merozoítos estão maduros, a célula hospedeira morre e se rompe, liberando os merozoítos, que, por sua vez, procuram uma nova célula para infectar e repetir a divisão (multiplicação), formando uma nova geração.  O número de gerações é específico da espécie e pode variar de duas a quatro gerações.

 

A última geração de merozoítos se transforma em gametas (estágio reprodutivo sexual). A maioria se desenvolve em macrogametas, célula “feminina” envolvida na reprodução sexual enquanto os gametas restantes se dividem em milhares de microgametas flagelados, portanto, móveis, formando células “masculinas”, envolvidas na reprodução sexual.

 

Os microgametas maduros, eles rompem a célula e penetram em uma célula hospedeira contendo um macrogameta, onde ocorre a fertilização, formando o zigoto. O zigoto amadurece e desenvolve paredes resistentes, formando oocistos. Quando a parede está completamente formada, o oocisto rompe a célula hospedeira e sai do hospedeiro através das fezes. Uma vez fora do hospedeiro, o oocisto divide-se duas vezes para formar quatro esporocistos e está pronto para infectar um novo hospedeiro.

 

Sintomas

 

Os sintomas clínicos da coccidiose intestinal e hepática são muito semelhantes e difíceis de distinguir entre os dois. Frequentemente, coelhos saudáveis ​​podem ser portadores destes protozoários, mas não apresentam sintomas da doença.

 

A gravidade da doença depende do número de oocistos que foram ingeridos pelo animal. A entrada de esporos de Eimeria nas células intestinais e hepáticas faz com que as células funcionem mal e se expandam em tamanho.

 

Com a morte de muitas células, temos erosão e ulceração no revestimento epitelial do intestino, o que causa má absorção de nutrientes, desequilíbrio eletrolítico, anemia e desidratação. Os sinais clínicos são muito inespecíficos e incluem apetite reduzido, depressão, dor abdominal, crescimento retardo, diarréia e anemia (mucosas pálidas).

 

As fezes podem conter sangue ou muco. Qualquer um ou todos esses sinais podem estar ausentes em coelhos mais velhos.

 

Coccidiose intestinal

 

A coccidiose intestinal afeta principalmente coelhos jovens, desmamados entre seis semanas e cinco meses de idade. O que podemos correlacionar com estresse e imunossupressão.

 

Os sintomas aparecem dentro de quatro a seis dias após a infecção e incluem apatia, diminuição do apetite, desidratação e perda de peso. Os coelhos também podem desenvolver problemas intestinais como a intussuscepção, causando obstrução.

 

Quando a perda de peso é maior que 20%, convulsões ou paralisia são observadas o prognostico é muito ruim e o animal pode vir a óbito em 24 horas. A maioria das mortes é resultado de desidratação e infecções bacterianas secundárias.

 

Coccidiose Hepática

 

Os coelhos infectados com E. steidae (protozoário responsável pela coccidiose hepática), podem ter infecções de gravidade variável. As infecções leves geralmente não apresentam sintomas, enquanto infecções moderadas levam a um retardo no crescimento.

 

As infecções graves resultam em perda de apetite, fraqueza, diarréia e possivelmente prisão de ventre (últimos estágios da doença). A E steidae habita as células dos ductos biliares e do fígado, causando obstruções e danos hepáticos graves.

 

Exames radiográficos e de ultrassom abdominal podem revelar hepatomegalia e a presença de líquido acumulando no abdômen (ascite - barriga de água). A necropsia revela pontos brancos ou nódulos na superfície do fígado.

 

Diagnóstico e Tratamento

 

Infelizmente o diagnóstico de coccidiose em coelhos vivos é muito difícil de ser feito. Um exame de fezes pode indicar a dos oocistos, no entanto, os oocistos de coccidiose são frequentemente difíceis de distinguir da levedura específica de coelho (Cyniclomyces guttulatus).

 

A grande maioria dos casos são diagnosticados apenas na necropsia. Como cada espécie de Eimeria é específica de um determinado tecido, as necropsias conseguem distinguir cada espécie, com base na local afetado, seja no intestino delgado, no ceco, no intestino grosso ou no fígado.

O tratamento envolve a administração de antibióticos. O tratamento com anticoccidianos geralmente só é bem-sucedido para coelhos que foram infectados por menos de cinco ou seis dias.

 

Mesmo se o tratamento for bem-sucedido, a diarreia e a mortalidade podem ainda ser observadas durante alguns dias após o início do tratamento. A recidiva também pode ocorrer e é observada regularmente após uma ou duas semanas.

 

O papel dos antibióticos é de controlar as infecções secundarias e protozoários até que a imunidade do coelho se desenvolva. O coelho pode se tornar imune a doença, porem isso só ocorre após o animal passar por infecções leves. No entanto, a imunidade é específica da espécie e, portanto, a exposição a uma espécie não protege contra outras espécies.

 

Prevenção

 

A prevenção é o melhor método no controle das coccidioses de coelhos. O controle de vários fatores pode reduzir a ocorrência da doença. Saneamento e manejo (qualidade de vida) são os aspectos mais importantes no controle da infecção.

 

Os seguintes pontos devem ser levados em consideração para reduzir a chance de desenvolvimento de coccidiose em coelho.

 

1. Superlotação - causa estresse desnecessário e dificulta a manutenção da higiene. Evite misturar ninhadas ao desmame e não se reproduza se você não tiver o espaço disponível.

 

2. Desmame – Deixe os filhotes mamarem até o mais tarde possível (podem ficar com a mãe até dez semanas de idade).

 

3. Nutrição – A dieta adequada é importante para a manutenção da saúde dos animais, principalmente o feno (a falta de fibras é a principal causa de muitos distúrbios digestivos).

 

4. Quarentena – Os novos coelhos devem ficar separados em observação por um período mínimo de 30 dias antes de entrar em contato com outros coelhos.

 

5.  Limpeza – Estabeleça um protocolo de limpeza e desinfecção que deve ser seguido de maneira sistemática.

 

OBS: Várias coccídeas de coelhos produzem oocistos resistentes a desinfetantes. A limpeza mecânica combinada com o uso de desinfetantes três vezes por semana diminuirá as cargas infectante e é recomendada para um grupo de coelhos que apresentem problemas de coccidiose.

 

Gostou? Se inscreva para receber notificação de novos posts!

Curta, comente e aproveite para deixar sua sugestão para um novo tema!

Sua opinião é muito importante para manter o BLOG atualizado. :)

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon